Que um dia eu também me torne índio!

Paradigmas a serem aprendidos com humildade

Atualmente a indústria química está dedicada aos estudos de vários remédios utilizados pelos índios da Amazônia, como por exemplo a copaíba, um excelente anti-inflamatório e cicatrizante. Melhor que a maioria dos produtos inventados pelas competentes indústrias inglesas, alemãs e americanas. É uma grande contribuição para a saúde.

Esta descoberta só está sendo possível porque os índios ainda existem.

Preservar as culturas vivas não é só respeitar os direitos de quem vive nestas terras há cerca de 500 séculos (no caso do Brasil). Também é fundamental para a preservação do conhecimento acumulado pela humanidade.

Os deuses não eram astronautas. O ser humano sempre foi engenheiro, médico, geógrafo, astrônomo, físico, químico e assim por diante. Ad aeterno.

Precisamos ter a humildade para entender isto e refletir nosso modelo de progresso e felicidade. Muitas destas culturas vivas, às vezes consideradas primitivas, já alcançaram estágios mais avançados do que estamos experimentando na atualidade.

Que um dia eu também me torne índio!